“Pastor” Assassino (Análise de Linguagem Corporal – SCAN)

“Pastor” Assassino (Análise de Linguagem Corporal – SCAN)
4.8 (95.04%) 141 vote[s]

"Eu creio que os meus filhos estão em Deus" Recentemente na cidade do Espírito Santo chamada Linhares, ocorreu um evento trágico, os irmãos Joaquim de 3 anos e Kauan de 6 anos morreram em um incêndio, o evento foi relatado pelo ponto de vista do ex-pastor George Alves que era o único adulto presente em casa antes e durante o incêndio, e que por acaso era pai dos garotos George disse que não conseguiu salvar as crianças e que se queimou tentando resgatá-las, alguns dias depois, a investigação policial apontou George como principal suspeito da morte dos garotos George foi acusado de abusar sexualmente dos garotos seu filho Joaquim e seu enteado Kauan, agredido fisicamente os garotos que teriam ficado desacordados, o que resulta na terceira acusação: homicídio doloso por atear fogo nos dois garotos George diz não ter movimento nenhum da morte das crianças, porém o que a sua linguagem corporal nos mostra? Vamos ver a primeira entrevista concedida por ele, antes mesmo das investigações se aprofundarem e George ser acusado "Minha esposa tinha ido viajar, ela foi pra Minas, em Teófilo Otoni no seminário de mulheres, num congresso de mulheres

" Um ponto interessante é que ele mantém o relato do evento com fluidez paraverbal sem se engasgar, dar longas pausas ou alterar o pitch vocal " causa de um membro de uma igreja onde eu sou pastor em Linhares, voltamos, retornamos para casa" Boca aberta, canto dos lábios esticados na horizontal e levemente abaixados, isso é uma microexpressão de medo "Dei banho no dois

eu tento *engasgo*" E aqui temos a quebra do padrão, apenas quando ele fala "dei banho nos dois", temos a primeira pausa longa, seguido de inspirada funda e engolida em seco "Dei banho nos dois, Esses sinais evidenciam a alteração do fluxo cardio-respiratório, consequência fisiológica de emoções como medo Boca aberta, canto dos lábios esticados na horizontal e levemente abaixados, leve elevação das sobrancelhas e leve aprofundamento nas rugas da fronte e isso é uma microexpressão de medo Aqui ele engasga pela primeira vez, esses sinais evidenciam que foi sentido um alto incômodo emocional do tema "dar banho nos garotos" suspeitando que o homem pastor houvesse praticado violência sexual contra duas crianças seria de se esperar que ele tivesse medo de ser descoberto, porém para isso teríamos de saber se o mesmo tem interesses sexuais em crianças "em casa, dei banho nos dois" Boca aberta por conta da localização da palavra "dois", porém vemos elevação bilateral do canto dos lábios elevação do triângulo infraorbital e da pele das bochechas Como essa foi uma ação mínima e num tempo inferior a meio segundo, podemos configurar isso como uma micro expressão de felicidade O exame pericial realizado no corpo dos garotos, foi encontrado PSA na cavidade anal dos meninos PSA é uma proteína exclusiva do sêmen, que por sua vez é fabricada na próstata do homem Essa foi uma prova contundente para acusar George de abuso sexual infantil porém George também foi acusado de espancar os garotos até deixá-los desacordados, "

comigo lá assistindo filme" "Eu tenho um escritório do lado do quarto deles, eu tenho um escritório onde eu estudo, faço as pregações eles estavam comigo lá assistindo filme" Como é evidenciado no método SCAN de Avinoam Sapir, e replicado em Lie Spotting de Pamela Meyer, "detalhes" podem ser observados como agregadores verbais essas ferramentas verbais têm intuito de dar tempo ao mentiroso, enquanto ele fabrica uma melhor versão da história o lapso de tempo entre ele falar que deu banho nos filhos e continuar pro próximo evento cronológico da narrativa é de 9 segundos "dei banho nos dois eu tenho um escritório do lado do quarto deles, eu tenho um escritório onde eu estudo, faço as pregações eles estavam comigo lá assistindo filme" Como explica o próprio Avinoan Sapir, quando contamos sobre um evento altamente emocional, tendemos a passar depressa nas partes menos relacionadas ao evento, e demorar mais nele por conta da memória emocional que aquele momento específico, registrou Exemplo: você conta a alguém sobre o dia em que foi à um show ou assistido um filme que tenha gostado muito você não conta o dia inteiro com detalhes sobre quantos assentos tinham na sua arquibancada, ou como era a grama do festival, ou se sua poltrona era mais cinza, preta, vermelha, você vai primeiro, direto para a parte que mais te emocionou do show, a música que você se arrepiou, chorou, a cena no filme que fez explodir por dentro depois a pessoa te pergunta: "Mas e aí, tava lotado? Você viu alguém conhecido lá? Detalhes, são um potencial indicador de raciocínio lógico em ação, o que pode indicar tentativa de manipulação da história e ausência de carga emocional "eles estavam comigo lá assistindo filme" Canto dos lábios esticados e levemente angulados para baixo pela ação dos músculos risórios, separação entre os lábios, isso é medo "

eu tirei um tempo com eles à noite" "Tirei um tempo", termo ambíguo Aqui diferente do excesso de detalhes que lhe deu sobre o escritório, ele não foi específico em que tipo de atividades eles fizeram do período da noite Isso é um possível indicador de dissimulação por omissão, que é quando o mentiroso conta parte da história verdadeira ocultando um momento ou uma informação importante sobre a mesma Elevação unilateral do canto dos lábios pelo músculo bucinador: desprezo Lábios separados, canto dos lábios esticados e levemente angulados para baixo, leve elevação das sobrancelhas: isso é medo

"eles me pediram leite com Toddy, eu fui fazer o leite com Toddy pra eles o menor, o Joaquim de 3 anos dormiu primeiro eu fui até o quarto dele" Novamente boca aberta pela verbalização da palavra "dele" porém canto dos lábios levemente esticados na horizontal e levemente angulados para baixo, microexpressão de medo Medo em excesso é um potencial indicador de 'Detection Apprehension' ou o medo de ser pego mentindo, como é explicado em 'Telling Lies' de Paul Ekman "liguei o ar condicionado, coloquei ele na cama" levantamento unilateral do canto dos lábios: desprezo "eu liguei a babá eletrônica e retornei ao escritório" Novamente, canto dos lábios esticados na horizontal pelo risórios: medo "onde eu continuei com Kauan" continuaram o que? assistindo filme? jogando? conversando? Novamente a ambiguidade ao descrever as atividades efetuadas com a criança, é uma pista de afastamento verbal e consequentemente um potencial indicador de dissimulação "até mais ou menos uma meia noite, meia noite e pouquinho" Aqui ele realiza duas lubrificadas de boca com a língua, em um curto espaço de tempo e isso sinaliza um aumento de ansiedade ao falar que continuou fazendo algo com Kauan

"ele foi dormir " Aqui temos três pontos interessantes: primeiro o reforço da mensagem "eu pedi para que ele fosse dormir", "ele foi dormir" Repetição é um potencial agregador verbal Segundo: a alteração no pitch vocal falar "dormir" "ele foi dormir " Reparem que ao relatar um fato potencialmente verídico, seu pitch oscila entre o agudo, porém ao falar que pediu pra Kauan dormir, vemos o tom agudo no fim da frase Terceiro: inserção de uma terceira pessoa na história, sem atribuir qualidades emocionais a essa pessoa Geralmente, quando interagimos com alguém, essa pessoa nos transmite suas emoções, mesmo que não sejamos 'experts' em microexpressões faciais, entendemos algo sobre como a pessoa se sentiu Conforme explicado em 'Lie Spotting', quando um mentiroso quer dar mais credibilidade à sua história, tende a colocar uma terceira pessoa apenas para confirmar uma atitude, esquecendo de relatar a provável reação de uma pessoa Tipo assim: Fui na casa de um amigo e ele me deixou entrar O que esse amigo sentiu, ele ficou feliz? Ficou triste? Algo mais natural seria se George tivesse dito: Comparem o relato dele, com o relato de uma mãe das vítimas do tiroteio na escola de Goiânia ano passado "na escola você é muito séria, você é muito nerd, mas muito brincalhão em casa muito bem humorado" Ela menciona algo que seu filho fazia, mas com uma qualidade emocional 'estudava muito, mas era brincalhão' "onde eu continuei com o Kauan" até mais ou menos uma meia noite, meia noite e pouquinho, pedi para que ele fosse dormir" Leve elevação unilateral com os lábios comprimidos microexpressão de desprezo a compressão labial constante, pode ser um sinal de manipulação emocional a pessoa tenta se controlar para não expressar o que sente comprimindo a musculatura orbicular da boca, e para desencargo de informação essa é uma microexpressão falsa de tristeza assim como da análise que realizei de Naldo, o pastor George permanece boa parte do vídeo com contrações nos AU1 + 4, elevando e juntando a região interna das sobrancelhas Como já expliquei, uma emoção tal qual uma expressão facial, dura no máximo de 3 a 5 segundos, tudo que ocorre depois disso são os sentimentos Essa expressão facial precisa de combinações e de critérios graduais de ativação como 'inset' 'apex' e 'offset', geralmente quando fingimos uma expressão facial, mantemos ela por um longo período de tempo E em intensidades altas como 'C' ou 'D' para que seja bem visível aos outros como é o caso do pastor George a expressão da perícia no local, por meio do instrumento 'luminol' revelou o sangue dos garotos pela casa *Delegado: Pode explicar porque tinha esse sangue dentro da casa?* O acusado não relata em momento algum seus garotos haviam se machucado durante aquele dia ou previamente "Não quero responder" Ademais no dia de sua audiência, ao ouvir sobre suas acusações George nega apenas sobre a acusação de ter queimado as crianças vivas *Delegado: Eles concluíram que as crianças foram espancadas, abusadas sexualmente e queimadas vivas* *Delegado: a partir daqui eu quero fazer algumas reflexões* Uma das hipóteses é que: uma vez que foi encontrado no local do incêndio um agente químico, acelerador do fogo, como por exemplo, etanol era possível que George não tivesse plena intenção de matar as crianças, mas sim de lesionar o tecido superficial, o que poderia esconder as marcas de agressão física ainda no dia da audiência, quando George vai se defender sobre suas acusações, no momento onde estava altamente emocional nervoso ele diz: "eu não fiz isso, eu não fiz isso, não fiz isso" "Isso" é uma palavra ambígua e por sua vez é o afastamento verbal, uma pessoa que está sendo honesta dificilmente não especificará sobre o que ela está sendo honesta "Eu não fiz isso, eu não cometi abuso sexual, eu não violentei os meus filhos, eu não cometi agressão física" como já citei sobre Bill Clinton várias vezes ao especificar que não tinha relações com "aquela mulher" sobre seu caso com Monica Lewinsky, ele disse 'aquela mulher' e não 'a minha secretária', 'a Mônica', enfim

"Eu não fiz isso, eu não fiz isso" Ele repete várias vezes "eu não fiz isso" e repetição é outra potencial indicador de uma tentativa desesperada de gerar credibilidade, e por fim: "Eu não matei os meus filhos, eu sou inocente, eu não fiz isso, eu não fiz nada" "não matei os meus filhos", não há nenhuma negação sobre estupro ou agressão física, apenas sobre o assassinato dos garotos outro fato que é coerente à acusação de abuso sexual, é que conforme pesquisas recentes apontam, inclusive em território brasileiro mais da metade das crianças do sexo masculino que sofrem abuso sexual na infância replicam o crime na adolescência ou na vida adulta, e pelo menos 48% desses homens, sofrem com problemas de identidade de gênero *Delegado: te faço uma pergunta junto com essa, você foi abusado na infância?* "Fui" Segundo pesquisadores, isso pode acontecer pelo fato da percepção do abuso sexual na infância ser diferente entre meninos e meninas Meninos que sofrem abuso sexual, tendem a se sentirem deslocados, ainda mais quando entra a perspectiva social da compreensão dos mesmos, é como que pensem: além dos eventuais traumas psicológicos causados pelo evento traumático, é comum que esses garotos desenvolvam perspectivas intensas e diferentes sobre sexo e alguns podem desenvolver até mesmo uma compulsão, no qual o papel de abusador lhes parece algo não tão estranho assim como Freud explica na teoria psicanalítica, o 'ato falho' é um vazamento inconsciente de nossos desejos mais profundos transmitido momentaneamente, aquilo que está no nosso nível inconsciente Em uma pregação sobre mente evoluída, o então pastor George Alves disse o seguinte Aqui podemos observar, elevação nítida apenas do lado esquerdo do rosto isso é desprezo juntamente com leve elevação da cabeça, e o famoso efeito pavão, que é estufar o peito esses três sinais estariam associados a uma sensação de superioridade Outro ponto forte é que durante o episódio de abuso sexual, é liberado uma alta carga de estresse na vítima e após o evento ao relembrar o mesmo, a tendência é que essa carga seja reproduzida Estresse em excesso, pode danificar a arquitetura neural do cérebro o que pode ao longo do tempo danificar a percepção de realidade desse tipo de pessoa É comum também que adultos que cometem abuso sexual infantil, o façam mais de uma vez, como foi observado, os dois garotos sofreram abuso sexual Há ainda um fato que me chamou a atenção, que é a outra filha do casal de apenas alguns meses de idade, que morreu por invaginação intestinal "três meses de nascida, por uma uma doença invaginação intestinal, e ela veio a falecer" Invaginação intestinal pode possuir várias causas e uma das associações possíveis, é abuso sexual infantil por penetração anal Acusado de estuprar, agredir e matar os filhos, George Alves é um exemplo da cautela que devemos ter ao confiar nas pessoas, Qualquer pessoa! Figura religiosa, política ou de autoridade, pode dissimular bem na nossa frente se não prestarmos atenção e isso inclui mentiras sobre coisas tão comuns e tão básicas para um pastor como a própria fé "Eu creio muito em Deus, e sei que" Acentuação do suco nasolabial e do sulco orbital e região interna das sobrancelhas abaixada pelo AU9: nojo "

eu creio que os meus filhos estão em Deus" Elevação unilateral do músculo bucinador, AU14: desprezo Muito obrigado por você que assistiu o vídeo até aqui se você quiser fazer pedido de alguma análise, escreve aqui nos comentários se você quiser acompanhar o que eu leio e estudo me segue no Instagram se quiser praticar exercícios diários de linguagem corporal, curta nossa página no Facebook meu nome é Vitor Santos e esse foi mais um vídeo do canal Metaforando Um abraço e até a próxima