Hipnose – Amnésia Instantânea – Tutorial

Hipnose – Amnésia Instantânea – Tutorial
4.8 (95.54%) 363 votes

Vou falar agora sobre amnésia instantânea Eu acho que eu fui um dos primeiros brasileiros a fazer publicamente aquela rotina que o Derren Brown faz no metrô que passa a mão na frente do rosto da pessoa e após uma conversa confusa o sujeito se esquece e eu percebi que eu fui começando a esquecer as coisas, eu comecei a ficar muito confuso E aquilo foi sumindo e simplesmente sumiu

Uma coisa importante que tava na estava na minha cabeça agora E eu já ouvi várias explicações erradas e bizarras para o que realmente acontece e eu vou explicar como que ela funciona e como outras rotinas de amnésia também funcionam Bom, primeira coisa que você vai fazer quando você quer fazer essa rotina de amnésia igual a essa do metrô ou do ponto de ônibus o Derren Brown no vídeo busca pessoas que já estão em transe frequentemente ele vai pegar alguém que, provavelmente, está segurando no metrô e olhando para o nada As pessoas que estão no metrô ou no ônibus elas estão querendo ver o tempo passando, então elas irão entrar automaticamente em transe elas irão se concentrar e quando ele encontra uma dessas pessoas ele começa a fazer um discurso confuso geralmente discurso que envolvem de direção fazem as pessoas terem algum bloqueio mental Você pode fazer um teste se você chegar para alguém na rua e perguntar “Você sabe em que direção fica o caixa eletrônico do Itaú? É porque eu preciso assaltar um desses

” A pessoa simplesmente vai falar assim: “Ah, pode ir lá É daqui a duas quadras” toda vez que você pergunta à alguém algo envolvendo direção essa pessoa começa a se orientar espacialmente e ela não escuta mais nada que vem depois Se você chegar para um guarda, não recomendo que você faça isso, certo? Não recomendo que você faça isso Se você chegar para um guarda e perguntar: “Sabe onde fica a caixa econômica? Estou precisando explodir um caixa eletrônico

” “A segunda esquerda” As pessoas estão desatentas, e mais do que isso, quando elas pensam em direção, elas ficam desatentas Então, se você pergunta para alguém “Eu to meio perdido, eu tava virando a rua a direita vou virar na rua a esquerda na rua Professor Pimenta da Veiga à direita na Tabelião Ferreira de Carvalho” Você vai dando direções e a pessoa vai imaginando aquelas direções A chance dela ficar confusa é altíssima Que envolve direções E se você começar a colocar um discurso que envolva um comando embutido em que você se esquece e sabe quando você se esquece uma coisa importante? “Eu estava andando, virando à direita na Pimenta da Veiga, à esquerda na Tabelião Ferreira de Carvalho e simplesmente me esqueci de uma coisa importante”

E passo a mão na frente do sujeito “Tente falar quem ganhou a copa do mundo” “Pode falar, pode falar, tente falar, foi a Colômbia? Pode tentar, você pode tentar mas não consegue Foi a Coreia?” Esse movimento, é, na verdade, para interromper o movimento ocular Quando você pergunta alguma coisa para o sujeito e pergunta “tenta falar como você veio pra cá e não se lembra” quando você pergunta “tenta falar”, o “tentar” já implica em erro, e mais do que isso quando o sujeito vai pensar e você faz isso, o sujeito quebra o pensamento dele Pode fazer o teste com o seu colega Pergunta para o seu colega, por exemplo, em algum momento: “Vou fazer uma brincadeira com você”

“Tenta falar o que você comeu ontem tenta falar” vai ter uma perda cognitiva de velocidade Se ele chegar pra alguém e falar: “Quanto que é 7+4?” o sujeito vai falar isso de forma cada vez mais lenta Esse movimento faz o sujeito pensar mais lentamente e depois ele acaba entrando no loop hipnótico e vai ficando cada vez mais difícil de falar por isso frequentemente eu quebro o padrão assim quando eu vou fazer uma rotina que requeira uma quebra de padrão no final Se você quiser voltar com o nome, né? Você fez aquela amnésia instantânea Cara, qualquer coisa faz voltar o nome Você fala: “E quando eu bater uma palma aquele nome volta” as pessoas me perguntam: “Por que você faz assim e bate na cabeça do sujeito?” Porque o Derren Brown faz assim Se o Derren Brown faz e é legal ele fazendo eu vou imitar o Derren Brown

Eu não vou imitar o “Zé ninguém” da esquina Eu vou imitar o melhor do mundo que faz isso E eu acho charmoso fazer assim: “Pode falar o nome” Mas poderia ser qualquer coisa, você gera uma expectativa “Quando bater uma palma aquele nome volta” Se você estiver fazendo o transe também funciona do mesmo jeito “Quando eu tocar a sua testa você vai lembrar imediatamente seu nome” E ele vai lembrar do nome imediatamente Agora vamos supor que você queira fazer uma amnésia que não é essa amnésia instantânea amnésia de nome, esquecer o número

Você contextualiza essa amnésia eu nunca falo, igual algumas pessoas fazem, a pessoa tá com transe e eu falo “Isso, esquece seu nome” Não, eu não vou fazer isso eu vou falar: “E você está naquela praia e você escreve seu nome na areia e vai escrevendo cada letra, se sentindo cada vez melhor” vou criando uma contextualização e falo: “Depois o mar vai chegar, vai te relaxar e vai limpar tudo aquilo” “Tudo aquilo”, ou seja, bem longe e aquele nome apaga completamente Aquilo tudo apaga e quando o sujeito abre os olhos: “Tenta falar aquele nome eu faço esse movimento pro sujeito gerar confusão se esquecer então, se você quiser fazer alguém esquecer um número sei lá, o número 4 ou o número 7 crime uma rotina que o sujeito vai escrever os números, por exemplo, de 1 a 5 em um quadro “E você está naquela sala de aula aquela sala que talvez você tenha estudado ou tenha criado agora e começa a escrever os número de 1 a 5 em uma lousa ou em um quadro negro e você começa a pensar naquele número que está entre 3 e 5”

Perceba que eu não cito o número 4 Se eu quero fazer ele esquecer o número 4, eu não vou falar “esquece o número 4” eu vou falar que aquele número que está entre 3 e 5 some “Você começa a apagá-lo e ele some completamente Quando você abrir os olhos vou pedir para você contar meus dedos e aquele número sumiu completamente” Ele volta e vai contar “1 2 3 5 6” e a partir daí você pode fazer novas brincadeiras “Um, dois, três, cinco, seis”

Outro tipo de amnésia que eu gosto de fazer é a partir da catalepsia O sujeito está com a mão toda colada assim, ou assim, e eu vejo aqueles olhos vidrados Eu falo: “Quanto mais tenta mais colado fica” eu percebo que o sujeito já está com a mão totalmente colada, presa e eu gero expectativa no momento em que eu estalar esses dedos essas mãos vão soltar bem lentamente mas quando elas se soltarem você vai esquecer de algo que você sempre soube e ela solta “Esquece completamente, isso, esquece completamente tenta falar seu nome mas não consegue” O sujeito trava ele trava e tenta falar

“Quando eu estalar meu dedo você vai começar a soltar bem devagarzinho, bem devagar só quando eu estalar meu dedo, você vai perceber que uma coisa que você sabia, some esquece seu nome João, seu nome é João? João? Você tem um nome, não tem? João? E João o seu nome? É João? É João o seu nome, não é?” Aí quando o sujeito já está travado eu já percebo que ele está com dificuldade “Sabe porque você está com dificuldade de falar? Porque tirei sua voz” Aí já era, porque ele está com a voz lenta por causa do transe aí ele meio que entra em pânico de leve com a brincadeira “Pode falar, e lembra o nome Ah, Alberto” e as pessoas adoram É muito impressionante porque não requer o transe formal de “fecha os olhos e relaxe” o cara colou a mão, como diz um dos meus alunos lá em BH do ‘street’, Thiago Santiago ele tem uma frase que ele eternizou, que é: “Colou a mão, viu o dragão” o cara tá com a mão toda colada se você chega e faz uma sugestão de esquecimento, provavelmente vai funcionar Bom, espero que tenham gostado do vídeo clique em “Gostei”, compartilhe com os amigos e se inscreva no canal

Até a próxima Obrigado por assistir a mais esse vídeo Quer aprender mais sobre hipnose? Inscreva-se no nosso canal ou então clique aqui e assista a outro vídeo Até a próxima