A grande histeria de Charcot

A grande histeria de Charcot
4.8 (95.47%) 53 vote[s]

Olá este é mais um vídeo da série história da histeria e neste vídeo eu vou conversar com vocês sobre Jean Martan Charcot é em um instante No hospital Saint Petrier em Paris Charcot inaugurou o período científico da histeria O que que eu quero dizer com períodos científico é onde se estudou a histeria em laboratório tanto com a hipnose quanto com a corrente elétrica O pensamento de Charcot ele é muito vasto e eu separei apenas alguns aspectos que vão influenciar nos nossos próximos vídeos pra discutir aqui Se você acompanhou o vídeo sobre Mesmer você já sabe que Blade ele descobriu e mesmo que também já intuía isso que os sintomas histéricos podem ser reproduzidos através da hipnose.

Bread vai cunhar o termo hipnose e ele vai falar olha dá para reproduzir via hipnose sintomas externos e é isso que vai ser estudado por Charcot quando vemos aquele famoso quadro da lição de Charcot a gente até imagina Freud naquela platéia mas ele não estava mas ali você tem uma noção de como que era estudado a hipnose dentro de Saint Petrier.

Outras duas formas de estudo eram através das correntes elétricas e de agulhas principalmente tentando perceber a natureza da sensibilidade ou perda na verdade da sensibilidade na histeria Charcot chegou a algumas conclusões a primeira delas é que a histeria era adquirida num certo estado de auto sugestão semelhante à hipnose e que a pessoa tinha que ter uma certa predisposição a este estado de auto hipnose e que entre o trauma gerado por auto hipnose e o aparecimento dos sintomas existe uma diferença temporal chamada de período de incubação e ele descobriu também que o ataque é composto por quatro fases o da aura, o do ataque, o da clonagem e da resolução A gente não vai discutir aqui cada fase porque ela não é tão importante para os nossos estudos posteriores.

Uma outra coisa muito importante para a gente entender o pensamento de Charcot é que muita coisa que hoje a gente não chamaria de histeria foi sendo colocado sobre o nome da grande histeria. Isso vai ter um impacto muito grande em Freud e na seleção daquilo que a gente vai vendo os pacientes de Freud por exemplo tem alguns pacientes que hoje a gente não perceberia como uma histeria, mas na época em função dessa ideologia do Charcot era chamado de a grande histeria, a posição dele é de que o sujeito primeiro era predisposto a histeria e logo caso algum trauma atual acontecesse a pessoa não era responsável a empresa ou a fábrica, ela não era responsável pela doença histérica daquele sujeito, porque ela era praticamente hereditária naquela pessoa, não se tratava de alguma coisa adquirida na sua biografia ela já era pra disposta a ter esta doença e o que aconteceu com toda a teoria de Charcot e San Pretier, bom a primeira coisa é que teve uma uma disputa muito grande ali na França entre Saint Pretier e Nancy.

E Nancy tinha um médico chamado Hippolyte Bernheime que escreveu muito sobre a questão da sugestão da hipnose inclusive com o livro traduzido pelo Freud para o alemão e ele vai dizer o seguinte o que acontece em Saint Petrier é uma grande ilusão, porque só quando percebeu uma coisa básica que já se sabia desde o século 17 a histeria clona outras doenças e o que se tinha em Saint Petrier? Se tinha as histéricas colocadas na mesma ala que os doentes que sofriam de epilepsia, então quando a gente olha a iconografia da histeria são ataques muito parecido com epilepsia porque os doentes estavam sendo colocados no mesmo ambiente primeiro.

Segundo e isso a gente já também já se sabia sendo uma doença que clona, e aí tem um detalhe agora muito sutil e muito importante pra nossa técnica analítica o histérico ele está muito atento ao desejo do médico então começa a ter um inter jogo entre o que o médico espera da histérica e a histéricas entrega isso para o médico e começam um inter jogo de sugestões então que o Ben Raider vai dizer olha o que acontece lá é uma grande ilusão uma grande bobagem e no final das contas esta é visão sobre o que acontece em San Petrier venceu na França porque já em 1900 1903 se caiu em desuso falar da grande histeria de Charcot.

Então Charcot não prestou talvez muita atenção a um aspecto da histeria que já se conhecia já há algum tempo a sua capacidade de clonagem isso é muito importante pra nossa prática clínica porque muitas vezes a gente espera algo do paciente e o paciente histérico tende a entregar assim como lá nos tribunais da inquisição no vídeo que a gente viu sobre tribunais da inquisição se ficou uma discussão muito grande se lá era uma possessão ou era uma histeria a mesma coisa que estava acontecendo em San Petrier?

É um caso de epilepsia ou é um caso de histeria e começou a ficar uma discussão que o que é que está acontecendo aqui e assim como lá nos tribunais da inquisição imperou o diabo. O diabo também imperou em San Petrier.

E gente, tem que tomar muito cuidado para que o diabo não impere nos nossos consultórios no inter jogo de sugestões e o que está se chamando aqui de sugestão o Ben Raider. Ainda ele dizia que sugestão é você oferecer uma ideia para o outro e o outro aceitar é não é nada mágico nada muito poderoso tanto que ele simplificou muito método da questão da sugestão porque para alguns métodos você precisava primeiro hipnotizar a pessoa depois dá uma sugestão e foi colocar isso tanto pode ser feito desta forma. Como pode ser feito por uma sugestão direta desde que o médico tenha alguma influência sobre doente.

Então é isso também é um elemento que vai aparecer no artigo de Freud de 1900 sobre hipnotismo e vai aparecer muito na técnica dele utilizada nos estudos sobre se histeria até porque ele sofreu também uma grande influência de Ben Raider mas a gente vai ver isso ponto a ponto uma série específica sobre os estudos sobre histeria. bom eu espero que tenha gostado desse vídeo se você gostou deixe o seu like se inscreve no canal para você não perder nem um vídeo dessa série. muito obrigado e até um próximo vídeo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *